Um site para quem precisa da Verdade
PREGAÇÕES

Pouca força, mas forte


Mauro Clark - 22/04/2018
64 minutos




Apocalipse 3.7-13

POUCA FORÇA, MAS FORTE

Ap. 3.7-13


Filadélfia: cidade fundada por Átalo Filadelfo. Ainda existe hoje com o nome de Alaseir, Turquia, de maioria muçulmana.

Na época, a cidade sofria constantes terremotos, era perto de um vulcão.

Parece que se tem notícia da igreja até o século 14, depois desapareceu.

Das sete igrejas, apenas Esmirna e Filadélfia não tem repreensão.


v.7

Três características de Jesus Cristo, ditas por Ele próprio:

1. Santo: como nome próprio, usado somente para Deus: separado, puro:

Sl 71.22; Lc 1.35; 4.34; Jo 6.69


2. Verdadeiro: absolutamente confiável, nenhuma sombra de falsidade. Jo 14.6


3. Que tem chave... Davi... abre ninguém fecha... fecha ninguém abre

Is 22.22: Sebna, administrador infiel do rei Ezequias (700aC), iria perder o cargo para o fiel Eliaquim. Esse teria poder para dar acesso ou não à presença do rei. O reino (chamado “a casa de Davi”) seria aberto ou fechado para quem ele quisesse.

Chave de Davi: aqui, reino do Messias, prometido a um descendente de Davi.

Apenas Jesus Cristo tem poder para fechar ou abrir o acesso ao reino de Deus (Jo 14.6)


Amigo, se você tem intenção de entrar no reino de Deus, não perca tempo com intermediários, ou métodos inventados por homens. Apele exclusivamente para Jesus.


v.8

Conheço as tuas obras

Das sete igrejas, Jesus falou isso para cinco (outras duas usou “conheço” alguma coisa).

Fazia questão de deixar claro que conhece cada igreja na intimidade.


tens pouca força

Não é uma crítica, mas o fato de que é uma igreja pequena, pouco influente.


guardaste a minha palavra... não negaste o meu nome

Igreja muito fiel:

* à Palavra de Cristo, que é exatamente a Palavra de Deus

* ao testemunho de Cristo


Apesar de pequena, era muito forte no compromisso com a doutrina e no comportamento.

Não fala explicitamente de perseguição, mas parece ter havido um período difícil, no qual ela mostrou fidelidade – talvez hostilidade dos judeus (v. 9)


porta aberta diante de ti... ninguém pode fechar

A que se refere essa “porta aberta”?

* Acesso ao reino, garantido à igreja de Filadélfia

* Oportunidade de evangelismo: At 14.27; 1Co 16.9; 2Co 2.12; Cl 4.3

Por ser muito fiel, Cristo daria à igreja uma excelente oportunidade de pregar o Evangelho e ganhar mais almas.

Parece que a igreja iria experimentar uma nova fase com essa oportunidade.


Que somos igreja pequena e temos pouca força é óbvio.

Também podemos dizer que procuramos guardar a Palavra de Deus.

Quanto ao fato de não negarmos o nome de Cristo, não sei o que Ele próprio teria a dizer, pelo menos no contexto de perseguição, pois não temos tido.

Mas, à parte de perseguição, espero que Ele possa, sim, dizer que no dia a dia procuramos honrar o nome dEle – como igreja e individualmente.

Quanto à porta aberta, caso se refira a alguma oportunidade de levar o Evangelho ao mundo, não temos dúvida que é o nosso caso (como de muitas igrejas ao nosso redor).

Temos amplas oportunidades de contribuir com a causa missionária.

E de fato temos contribuído. Apenas não me sinto seguro para dizer que a qualidade do este nosso serviço específico tem agradado a Cristo. Espero que sim.


v.9

são da sinagoga de Satanás ... judeus e não são... mentem... farei vir... eu te amei

Talvez a melhor interpretação é que a porta aberta incluía a conversão de judeus hostis.


v.10

Versículo importante na escatologia.

Porque guardaste a palavra da minha perseverança...

Foram fiéis  à Palavra de Cristo, que recomenda paciência, perseverança, fidelidade.

Por isso, receberiam um prêmio:

... te guardarei da hora da provação que há de vir sobre o mundo inteiro, para experimentar os que habitam sobre a terra

Essa “provação” não parece se tratar de perseguição contra os crentes (como em Esmirna), mas de uma provação vinda de Deus como julgamento sobre os incrédulos.

A igreja de Filadélfia seria livre dessa provação que Deus faria vir sobre a terra.

Que provação é essa?

1. Localizada, na época. Não sabemos aonde.

2. Período da Tribulação que virá sobre a Terra inteira, antes de Cristo voltar.

Falei recentemente no princípio de que Deus tira os Seus quando derrama juízo específico sobre pecadores.

Aplicando esse princípio aqui e estendendo a promessa para Filadélfia a todas as igrejas existentes na época da Tribulação, concluímos que a Igreja de Cristo será poupada da Tribulação. Esta é a posição Pré-Tribulacionista, que abraçamos.

Os crentes que sofrerão perseguição do Anticristo na Tribulação serão pessoas convertidas após o Arrebatamento.


v.11

Venho sem demora

Não uma ameaça sobre uma vinda específica para disciplina (como às outras igrejas), mas uma maravilhosa promessa da Segunda Vinda, para buscar a Sua Igreja.

Cristo sempre deu ideia de brevidade quanto ao retorno.

Do ponto de vista dEle seria um breve retorno.

E também do nosso ponto de vista, no futuro, quando olharmos para trás, parecerá um abrir e piscar de olhos!


Conserva o que tens...

Parecido com o que falou à igreja de Tiatira.

Igreja não deveria descuidar pelo fato de estar bem espiritualmente: vigiar e perseverar.


Interessante: NÃO disse “deixe essa pouca força de lado, cresça em vigor, desenvolva...”.

Guardar a Palavra de Deus e não negar o nome dEle eram virtudes suficientes para deixarem-No plenamente satisfeito. O fundamental é que fossem mantidas.

Crescer sempre não é obrigatoriamente saudável para a igreja. Deve ser almejado, mas não a qualquer custo e de maneira obsessiva.


... para que ninguém tome a tua coroa

Talvez o esperado fosse dizer “não perca a sua coroa”, mas diz “ninguém tome”, ou seja, “tem alguém interessado em arrebatar a sua coroa”.

Quem? O diabo e seus seguidores – satânicos e humanos.


v.12

Ao vencedor: crente verdadeiro.

Duas promessas ao vencedor:

1. fa-lo-ei coluna no santuário do meu Deus, e daí jamais sairá

Talvez um apelo bem vivo para quem morava em cidade sujeita a constantes terremotos.

Participação pessoal, significativa e definitiva no reino de Deus.


2. Gravar três nomes sobre ele:

a. O nome do meu Deus

Confirmando que o crente é filho de Deus, pertence à família divina.


b. O nome da cidade do meu Deus, a nova Jerusalém, que desce do céu, vinda da parte do meu Deus

Nova Jerusalém: falaremos mais no cap. 21. (Ver também Hb 12.22)

Em suma, cidade onde o próprio Deus, Cristo e os salvos morarão na nova terra (21.1-2).

O que for considerado vencedor, fará parte daquela espetacular cidade.


Quatro vezes a expressão “do meu Deus”: ênfase na natureza humana de Cristo.


c. O meu novo nome

Novo nome para o crente: plena compreensão de quem é Cristo.


v.13: Toda atenção é necessária a esses avisos.


Que nossa igreja, mesmo pequena, seja fiel na doutrina e no comportamento.

E esperemos que a porta seja aberta para ganharmos almas ao Senhor Jesus Cristo, as mesmas almas que hoje se opõem duramente a Ele.

E que um dia reconheçam que Cristo amou a Igreja Batista Luz do Mundo!


Que Deus nos abençoe. Amém



Ministério Falando de Cristo
"... pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus." (1 Co 1.24b)
Copyright 2004-2012. Todos os direitos reservados. http://www.falandodecristo.com